Seguidores

SERENA E THOMAS EM QUADRINHOS

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Subiiiindo...


Oi pessoas...Hoje consegui um feito inédito, subi na pitangueira. É isso aí peoples...pedi ajuda ao meu assessor para Assuntos Cascudos para amontoar alguns caixotes, ao lado da minha árvore. Como os caixotes estão em falta aqui em casa, pegamos tudo que encontramos pelo caminho: o puff, cadeiras, banquetas, alguns tijolos, um galão de água vazio, duas panelas e a minha coleção completa de Os Pensadores.

A medida que arrecadávamos os objetos íamos arrastando-os para o jardim. Acho que o Mila e a Su até que estranharam um pouco quando me viram passar com uma panela sobre a cabeça e o vol. I e II de Leibniz na boca...mas não falaram nada. Quando viram o Thomas, caminhando tranquilamente com o puff nas costas, como uma tartaruga, devem ter achado ainda mais estranho mas, também nada disseram...Agora, quando nos viram carregando, em dupla, um criado-mudo, simplesmente apontaram o dedo na direção do quarto; neste momento pensamos: "furou...acho que exageramos"...Sem pararmos de andar, demos meia-volta e colocamos o móvel no lugar. A partir daí investimos somente nas cadeiras, banquetas e o galão de água mas, tomamos o cuidado de sairmos pela porta dos fundos. Os três tijolos já estavam no local.

Beleeza!!! Com tudo já amontoado no jardim, o que faltava era criar a estratégia de montagem da nossa Torre de Pizza. Verificamos a direção e velocidade do vento e, como concluímos que vinha do Norte, resolvemos posicionar nossa obra do lado Sul da pitangueira. Como fizemos esse cálculo? perguntar-se-ão alguns leitores...Da maneira mais eficaz, óbvio, peoples...O Tomy lambeu o dedo indicador da sua pata direita e ergueu-a o mais alto que pôde...esse método é suuuper exato. Ele é um ótimo físico, não se preocupem.

Iniciamos primeiramente com os tijolos e Os Pensadores...passamos, em seguida para as cadeiras, as banquetas, o galão de água vazio e por último o puff, pois queríamos instalá-lo nos galhos, para ficarmos confortáveis lá em cima, . O importante era atingir a primeira bifurcação da árvore, de lá em diante seria mais fácil.

Os últimos objetos ficaram por conta do assessor para Assuntos Cascudos, afinal ele é bem mais alto que eu, né gentes.

Na parte da escalada é que complicou...Como ainda estou um pouco redondinha, o assessor teve que se transformar em ascensor, me empurrando torre à cima. Antes de atingir o topo, perdi o equilíbrio e me estatelei no chão, ou melhor, em cima do Tomy. Utilizei imediatamente meus conhecimentos de enfermagem e prestei os primeiros socorros: joguei um balde de água na sua face...pronto acordou, novo.

Na segunda tentativa consegui me agarrar num galho e apoiar a minha pata traseira esquerda na casa dos alados. Devagarinho consegui me ajeitar. Agora seria a vez do Thomas, que decidiu por outra estratégia...Quando o vi tomar a distância de uns trinta metros e, imagino, ficar calculando mentalmente a velocidade que deveria empreender para conseguir o impulso suficiente para escalar a torre de uma só vez, pensei... ihh, f$*eu!... Ele largou e veio correndo em disparada até um metro antes da pilha e, saltou...A cena merecia "uma" slow motion e a Lacrimosa, como fundo musical...Nossa!! Que postura, que plástica...ainda me arrepio quando lembro...A partir do salto foi uma sequência de patadas e escorregadas até atingir o topo...Mas ele conseguiu, graças à Nossa Senhora dos Alpinistas Irresponsáveis!

Ficou uns dois minutos arfando, agarrado ao tronco da pitangueira, um pouco abaixo de mim que, lógico, me agarrei num galho mais alto pra não ser atingida. Quando, finalmente, nos acalmamos, olhamos para baixo para analisar os estragos...A coisa foi feia. No lugar, só permaneceram Os Pensadores (com o Heidegger nos olhando com aquele sorrisinho sarcástico) e os tijolos, ou seja, a base da torre. Não teríamos como descer e era muito alto para pularmos. Solução? A única possível...Aproveitar o belo cenário enquanto esperamos o Mila trazer a ração dos alados e nos avistar nos galhos. Foi o que aconteceu...Depois de se recuperar do susto e cair na gargalhada, ele nos resgatou com uma escada (por que não pensamos nela antes?).
Até que foi bem divertido! A única chatisse foi guardar tudo o que tiramos do lugar...mas o Heidegger, aquele debochado, eu deixei de castigo, na rua, pra ele aprender...

Lambidas alpinísticas a todos...
Ah! O amigo, lá de cima, não foi muito feliz na sua tentativa...
Ah 2! A história em quadrinhos dessa nossa aventura está lá em cima. É só clicar sobre o título.

5 comentários:

EROS - Deus do Amor e da Família disse...

Olá! Sobre o teu comentário...no meu blog...guardanapos, papel higiénico, sacos....mas flores são divinais!!! Lol!!!

Ronrons

Carol disse...

ahahahhhaha adorei!!! Uma aventura e tanto!!

Beijinhos.

Cláudia disse...

sério...vcs sáo capetas demais...amo cachorro bagunceiro!
a vida assim que é boa...
lambeijos aventureiros

GRAÇA disse...

Serena como conseguis-te sair!!pucha!!!
Queres ser minha amiguinha?
Gostei muito da tua visita
Ronrons da Kika e bjs da dona
Graça

Rutha/Pink/Barum/Luna disse...

Vcs são minha inspiração ! Adoro seus comentários no meu blog ! Espero usufruir dessa amizade por muito tempo !
Beijos
Laís